A Bandinha

por Robson Gomes rgomes@jc.com.br
Um mundo de sons, cores, mágicas e palavras criado por uma banda musical para todo mundo voltar a ser criança. É assim que pode ser definido o trabalho do conjunto A Bandinha. Quatro músicos bem conhecidos e experientes da cena recifense se juntaram em junho de 2012 para dar vida a este projeto lúdico, que tem como grande inspiração o universo do circo.

Vanessa Oliveira, a líder d'A Bandinha, conta que o objetivo do conjunto é agradar aos baixinhos e altinhos: “O foco das nossas apresentações são as crianças. Mas tentamos fazer algo de forma que cative os pais também. Na verdade, o intuito é fazer que todo mundo seja criança. Pois no nosso ponto de vista ser criança é um estado de espírito”, explica.

Para atingir esse estado de espírito, Vanessa uniu sua voz e jeito bagunceiro a Thiago Hoover na guitarra, Luccas Maia nos teclados e efeitos, e Lucas Araújo na bateria. Todos, claro, também colaboram nos vocais para dar vida a um repertório que transita por releituras de grandes clássicos do universo infantil e músicas que têm grande comunicação com as crianças.

“Em quatro anos fizemos alguns formatos de show, sempre com a música como leme. Usamos muito do cancioneiro popular, brincadeiras populares, piadas, histórias, brincadeiras rítmicas costurando o enredo do show. Mas estrela principal é a música. Todos os outros elementos são ferramentas para deixar o show mais dinâmico e tentar fazer com que as crianças fiquem sempre atentas ao que estamos fazendo”, diz Vanessa. Na página de A Bandinha na internet, é possível ter acesso a um pouco da magia musical do conjunto ouvindo suas versões para Raios e Trovões (de Hélio Ziskind), Plunct Plact Zum (de Raul Seixas) e até Pombinha Branca, um clássico das cantigas de roda.

Mesmo com o Recife pulsando nas veias desta divertida banda, A Bandinha atualmente está sediada em São Paulo: “A mudança aconteceu há um ano e meio. Sempre voltamos ao Recife em temporadas especiais. Em São Paulo tem muita referência, informação e formação pra todas as áreas com profissionais de renome com mais facilidade. Estou estudando e me aprofundando em atividades que serão levadas para o palco com A Bandinha. Senti necessidade dessa qualificação. Sentimos muita falta da relação com o nosso público recifense. Mas é por uma boa causa”, esclarece a vocalista Vanessa.

Apesar da distância da capital pernambucana, A Bandinha segue fazendo shows e encantando crianças de todas as idades. “É uma experiência muito especial fazer show para o público infantil. Ver os olhinhos atentos e brilhantes é gratificante. Mas extremamente desafiador. A criança é pura sinceridade! E os pais sempre embarcam juntos. E esse é o nosso intuito!”, encerra a bagunceira Vanessa.

Compartilhe essa história

Galeria de fotos