Recife em Transformação

Recife, uma cidade que se espalha no século 20


Construções antigas e modernas se misturam no bairro de Casa Forte na Zona Norte do Recife – Foto Guga Matos – JC Imagem


A Zona Norte do Recife já era ocupada no princípio do século 20, porém com pequenos núcleos de moradia em Casa Forte, Poço da Panela, Apipucos, Monteiro, Encruzilhada e Beberibe ligados pelas estradas por onde passavam o bonde. Essa organização ainda colonial, informa o professor de arquitetura e urbanismo da UFPE Fernando Diniz, é alterada por uma série de obras que possibilitam novas construções nos espaços vazios existentes entre os núcleos mais antigos.

É a retificação e pavimentação de vias públicas, como a Avenida Rosa e Silva, Avenida Rui Barbosa e a Estrada de Belém, que abrem caminhos para um Recife além do Centro. De 1920 a 1960, bairros da Zona Norte, e da Zona Oeste, onde havia uma casa aqui e outra lá longe, são gradativamente povoados. “O Espinheiro nos anos 50 tinha áreas vazias, parte da Madalena só se expande nos anos 60, Jardim São Paulo e Hipódromo se consolidam na década de 40”, declara o professor.

A abertura de ruas para carros e ônibus muda o perfil da ocupação urbana, destaca Fernando Diniz. “Como as pessoas conseguem se deslocar com mais facilidade, áreas antes consideradas distantes começam a despontar como lugar de moradia. A linha do bonde levava a uma ocupação linear próxima das estradas”, compara. A cidade formal, observa o arquiteto e urbanista, cresce junto com as áreas pobres em quase todos os bairros. “O Recife é um mosaico em sua formação.”



Terrenos que ficaram sem compradores são doados a instituições públicas e é nesse momento que surgem a Escola de Aprendizes Artífices (depois Escola Técnica Federal de Pernambuco), num edifício art déco da década de 1930 hoje conhecido como o prédio do Cinema da Fundação, restaurado e reaberto no fim de março de 2018; e a Faculdade de Medicina, atual Memorial da Medicina.

As décadas de 30 e 40 também viram a população pobre, expulsa das áreas centrais do Recife, subir os morros da Zona Norte, continua o arquiteto e urbanista Geraldo Marinho. Um mapa da cidade, de 1943, registra o comecinho da ocupação do Morro da Conceição, do Alto José do Pinho e da Bomba do Hemetério. “São os primeiros trechos povoados nas partes altas, mas a área ainda está cheia de descampados”, afirma Geraldo Marinho, que atua como consultor.


Morro da Conceição, na Zona Norte do Recife, foi uma das primeiras colinas ocupadas na capital – Foto – Guga Matos

Contribuíram para a expulsão da camada mais pobre a valorização do solo nos bairros do Centro e o aterro de áreas planas alagadas onde seriam criados loteamentos. “O refúgio dos expulsos é a terra sem valor como solo urbano”, declara Geraldo Marinho. A população de Casa Amarela, que reunia diversos morros da Zona Norte e formava o maior colégio eleitoral da cidade, subiu de 81 mil pessoas em 1950 para 126 mil habitantes em 1960, diz o arquiteto.

Casa Amarela, hoje, é quase toda plana. Apenas um morro continua fazendo parte do bairro, o Alto Santa Isabel. Desde o fim dos anos 80 o Morro da Conceição e outras colinas chamadas de Grande Casa Amarela são bairros independentes. As encostas, comenta Geraldo Marinho, tinham o desenho muito parecido com a situação atual em mapa de 1965. De lá para cá, apenas aumentou o número de casas e moradores, declara.


Expediente

8 de abril de 2018

Diretoria

Laurindo Ferreira
Diretor de Redação do Jornal do Commercio
Maria Luiza Borges
Diretora de Conteúdos Digitais do SJCC
Beatriz Ivo
Diretora de Jornalismo da Rádio e TV Jornal

Edição

Diogo Menezes
Editor executivo
Betânia Santana
Assistente de edição

Conteúdo

Cleide Alves
Reportagem

JC Imagem

Arnaldo Carvalho
Editor executivo
Heudes Regis
Editor Assistente
Guga Matos
Fotógrafo

Vídeo

Danilo Souto Maior
Edição de vídeo
Eduardo Mafra
Animações

Design

Bruno Falcone Stamford
Editor de Artes
Karla Tenório
Editor Assistente de Artes
Moisés Falcão
Coordenador de Design Digital
Maryna Moraes
Designer

Fotos antigas

Acervo Museu da Cidade do Recife
Fotos de abertura
Acervo FUNDAJ-CEHIBRA
Foto de abertura