Plataforma em prol da solidariedade

Um milhão e duzentas mil horas. Cinquenta e três mil dias. Cento e quarenta e cinco anos. Esse é o tempo de trabalho voluntário registrado pela plataforma Transforma Recife desde o seu lançamento pela prefeitura municipal, em 2014. O objetivo é criar uma ponte entre quem quer ajudar e organizações que precisam de ajuda.

Atualmente, a plataforma tem mais de 100 mil voluntários e 500 instituições cadastradas. “Ela surgiu a partir do grande número de pessoas que gostariam de fazer algum trabalho social, mas não sabiam como. Por outro lado, existia uma demanda muito grande por parte das organizações sociais, principalmente das instituições que eram pouco conhecidas”, explica Marcella Balthar, coordenadora do Transforma Recife.

Realizar o cadastro é bastante simples. Basta acessar o site transformarecife, informar um endereço de e-mail válido e preencher uma ficha com informações pessoais. No momento do cadastro, o voluntário informa a disponibilidade de horário, seu endereço e as áreas em que tem interesse de atuar. Assim, pode trabalhar voluntariamente no horário livre, próximo de onde mora e com o público que se identifica.

Em novembro de 2018, a gestão municipal lançou um aplicativo, disponível para Android e iOS. Existem duas versões: uma para os voluntários (ícone azul) e outra para as ONGs (ícone amarelo). Ao baixar o app, o voluntário fornece seus dados pessoais, disponibilidade e habilidades. As vagas disponíveis aparecem e é possível se candidatar a uma delas. Da mesma forma, as organizações podem contatar os voluntários que preencham o perfil procurado.

“A plataforma faz um match entre generosidade e necessidade. Em quatro anos, alcançou números expressivos”, destaca o empreendedor social Fábio Silva, do Porto Social e um dos idealizadores do Transforma Recife, em parceria com a prefeitura. A capital pernambucana também é a primeira do País a ter um equipamento de rua que contabiliza as horas de trabalho voluntário, o Voluntariômetro, localizado na Avenida Agamenon Magalhães, próximo ao Hospital Real Português.

O modelo já foi apresentado ao Papa Francisco e exportado para outros municípios brasileiros, a exemplo de Petrópolis, no Rio de Janeiro, e Campinas, em São Paulo. Em agosto, a inciativa ganhou uma versão nacional, o Transforma Brasil. Em três meses, a plataforma já conta com mais de 120 ONGs cadastradas em 24 Estados, somando mais de 5 mil voluntários e 3,3 mil horas de trabalho voluntário.

“No Recife, o Transforma foi fundamental para a gestão pública. Através dele, tivemos informações importantes sobre as ONGs e as pessoas atendidas por elas. Sozinho, o poder público não resolve todos os problemas. Ele precisa do apoio da população e das instituições”, destaca Marcella Balthar.

Leia também

Jornal do Commercio | Expediente