Jornal do Commercio

Quando o amor se transforma em omissão

O amor era imenso. Forte, tremendo. De tão grande, turvava. De tão grande, virou omissão. Transformou-se em dor. Das mais fortes, de mãe para filho, de pai para filho. Pais que amaram demais, amaram tanto que não enxergaram o perigo da motocicleta e dos ciclomotores (cinquentinhas) na vida de seus filhos. Presentearam, colaboraram, autorizaram, fecharam os olhos, permitiram que a moto entrasse em casa. Mesmo os filhos ainda sendo crianças e adolescentes. Jovens, muito jovens. E agora sofrem uma dor dilacerante. Saudade das mais fortes mistura-se à culpa, à impotência... Mistura que transformou pais em filhos da dor.

por Roberta Soares

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Flagrantes da dor