Papa vê Igreja 'caduca' e quer renovar sem perder dogmas

Para Francisco, mudanças nas estruturas não bastarão. É preciso adotar nova atitude

Publicado em

Foto: Gabriel Bouys/AFP

O papa Francisco fez nesse domingo (28) uma autocrítica antes de deixar o Brasil: a Igreja está “atrasada” e mantém “estruturas caducas”. Para ele, chegou o momento de a instituição entender que precisa se modernizar e deixar de viver de tradições ou de vender esperanças para o futuro. Em seus improvisos, porém, deixou claro que é preciso mudar sem perder dogmas nem valores.

A ocasião escolhida para apresentar seu “programa de governo” para a Igreja - baseado no documento de 2007 da Conferência Geral do Episcopado Latino-americano e do Caribe, em Aparecida - foi a reunião que manteve com os cardeais, na tarde de domingo no Rio. Francisco fez um ataque ao abuso de poder na Igreja, à mentalidade de “príncipes” entre os cardeais, à inclusão de ideologias sociais no Evangelho - tanto marxistas quanto liberais - e uma denúncia frontal contra o carreirismo e contra a distância imposta pelos bispos aos fiéis.

Em um duro discurso, o papa Francisco apelou por uma Igreja “atual” e apresentou um raio X dos problemas da Igreja que, segundo ele, estão impedindo seu crescimento e fazendo proliferar sua “imaturidade”. As reformas na Cúria começarão a ser apresentadas já em setembro. Mas, para o papa, mudanças nas estruturas não bastarão. É preciso adotar nova atitude.

No centro de seu projeto estão a renovação interna da Igreja e a insistência de que sacerdotes deixem a sacristia e tomem as ruas dando especial atenção às periferias - não só das cidades, mas também aos segmentos marginalizados da sociedade. “O que leva a mudar os corações dos cristãos é justamente a missionariedade”, declarou, lembrando que isso “exige gerar a consciência de uma Igreja que se organiza para servir a todos os batizados e homens de boa vontade”. “O discipulado-missionário é o caminho.”

VÍCIOS E TENTAÇÕES - Francisco, porém, ao apresentar sua estratégia para reconquistar fiéis e retomar a influência da Igreja, alertou para vícios e tentações que a instituição atravessa e precisa abandonar para poder retomar sua credibilidade. Disse de improviso que, “com o início do pontificado, recebe cartaz, propostas, chegam-lhe inquietudes, propostas que... se casem os padres, que se ordenem as monjas (risos), que se dê a comunhão aos divorciados”. Francisco chegou a falar em catolicismo ilustrado e disse que essas questões “não vão ao problema de fundo, real”.

Outra crítica foi dirigida à “ideologização da mensagem evangélica”. O argentino, porém, fez questão de atacar não apenas a Teologia da Libertação, mas tendências liberais. “A tentação engloba os campos mais variados, desde o liberalismo de mercado até a categorização marxista”, declarou.




ÚLTIMAS NOTÍCIAS

AGENDA DO PAPA

Clique nas datas e confira os eventos