X
Foto PE-625

BR-101

Os 30,7 km que a rodovia faz da Região Metropolitana do Recife, entre Abreu e Lima e Jaboatão dos Guararapes, são conhecidos pela degradação permanente. Todos os anos, no inverno, a destruição predomina. Foram até motivo de briga política entre os governos estadual e federal.

X

BR-101

Os 4 km duplicados pelo governo de Pernambuco, com recursos federais, têm problemas estruturais de ponta a ponta. O pavimento teve que ser refeito em vários pontos e a insegurança da via foi citada com destaque pelos técnicos do TCE.

X

BR-104

A rodovia tem 51,4 quilômetros sendo duplicados pelo governo de Pernambuco e, embora ainda não esteja pronta, apresenta diversos problemas no pavimento, inclusive buracos. A obra ficou paralisada por problemas legais.

X

BR-232

Dez anos depois de concluída, não foi entregue oficialmente por apresentar falhas de projeto. Esqueceram de colocar um dreno subsuperficial para garantir a drenagem correta da rodovia, o que provocou degradação precoce do pavimento. Terá que ser completamente restaurada.

X

BR-110

É a rodovia da vergonha de Pernambuco. Embora seja federal, ainda é de terra num trecho de quase 80 km, prejudicando diretamente mais de 70 mil pessoas.

X

PE-089

A rodovia é quase de terra. Os moradores da região dizem que as poucas vezes em que foi pavimentada, o asfalto durou apenas meses. A degradação volta com os períodos chuvosos.

X

PE-051

A pavimentação da rodovia começou a ser realizada, mas foi paralisada por denúncias de sobrepreço. No lugar da pista, existe quase um mar de lama que impede o tráfego de veículos.

X

PE-300

É a rodovia da morte. Seus 76 quilômetros, entre Águas Belas e Inajá, são marcados por 43 cruzes. Na frieza dos números, equivale a uma cruz a cada 1,7 quilômetro. Houve superfaturamento e falhas na construção.

X

PE-320

O TCE apontou falhas visíveis na execução das obras desde que começou a acompanhar em 2011. Identificou, também, acordos firmados apenas verbalmente.

X

PE-193

Também tem vícios na execução das obras, paralisadas desde o início do ano. Incompleta, a rodovia coloca em risco a segurança de quem precisa passar por ela.

X

PE-166

A rodovia começou a ser pavimentada, mas a obra não tem sequer um contrato formalizado. Não há licença ambiental prévia, projeto básico ou parecer jurídico sobre as desapropriações.

X
Foto PE-625

PE-004

É a rodovia do medo. A degradação da estrada, repleta de buracos, atrai os ladrões e os assaltos são constantes nos trechos mais degradados. O alvo maior são as lotações, principal transporte da região.

X

PE-360

O governo do Estado iniciou a pavimentação da estrada, mas quando o JC esteve nela, era mais uma rodovia do medo. Motoristas eram assaltados quase que semanalmente e depois das 17h ninguém mais circulava por ela.

X
Foto PE-625

PE-625

Representa o benefício que uma estrada pavimentada pode trazer para uma cidade e para o povo que nela vive. Com a pavimentação da PE-625, a cidade de Santa Filomena, quase na divisa com o Piauí, renasceu.

X

PE-590

Obras da rodovia começaram a ser executadas pelo governo do Estado em 2012, mas foram paralisadas logo após as eleições. População espera retomada e sofre com a degradação.

X

PE-250

Guanumbi, distrito de Buíque, espera a pavimentação da estrada para ver o desenvolvimento chegar à região. Rodovia tem trecho tão perigoso que dá medo trafegar.

X

PE-460

A rodovia é de terra batida, em pleno Sertão central. É um sonho antigo das seis mil pessoas que residem em Conceição das Crioulas, distrito do município de Salgueiro. O acesso é tão ruim que o pau-de-arara é o principal transporte até das crianças.