Interior

Caruaru é a bola da vez entre cidades do Agreste

Por Rafael Dantas

DEMANDA Segundo Franco construtoras estão investindo mais

No Agreste do Estado é para Caruaru que estão voltados os maiores investimentos no mercado imobiliário. Com a sua consolidação como Polo de Serviços e Polo Universitário da região, mais de 50 prédios estão em fase de construção para atender parte da demanda por imóveis dos seus novos moradores. “Temos no mercado um cliente que vem das cidades circunvizinhas, com filhos que vêm fazer faculdade, por exemplo. Pessoal que precisa do imóvel para morar. Grandes empresas estão vindo para atender essa demanda”, afirma o secretário de desenvolvimento econômico da Prefeitura de Caruaru, Franco Vasconcelos.

Em bairros mais procurados da Capital do Agreste, como Maurício de Nassau e Santa Maria Goretti, a demanda tem valorizado substancialmente os imóveis. De acordo com Franco Vasconcelos, o preço do metro quadrado nesses bairros gira em torno de R$ 3,2 mil e R$ 3,5 mil, com alguns imóveis mais luxuosos com custo de até R$ 4 mil por metro quadrado. Na região Agreste, segundo informações da Ademi-PE, destacam- se ainda no setor imobiliário os municípios de Toritama e Santa Cruz do Capibaribe.

Em Petrolina, entre outros fatores, o aquecimento imobiliário é fruto do próprio aumento da população. Entre 2000 e 2010, a taxa média de crescimento anual da população foi de 3%, segundo informações do último Censo, superando a margem dos 305 mil habitantes neste ano. Mais do que um número maior de pessoas, o crescimento do poder aquisitivo da população e as linhas de financiamento voltadas para as famílias de baixa renda foram fundamentais para o desempenho da construção civil na cidade. “Muita gente que vivia em uma condição de vulnerabilidade por conta de moradia hoje está buscando os imóveis do Minha Casa Minha Vida. Até o final do ano serão cerca de cinco mil unidades habitacionais contratadas pelo programa”, afirma Dário Lopes, superintendente de habitação em Petrolina.

Além desse perfil de consumidor da classe C, o superintendente destaca que há uma crescente demanda por imóveis para as classes A e B em Petrolina. “Há uma captação de vários empreendimentos voltados para famílias com uma faixa de renda mais elevada em alguns bairros da cidade”, menciona. No Sertão, a Ademi destaca ainda as cidades de Salgueiro e Serra Talhada como municípios onde o mercado imobiliário está em alta.