São Caetano

Preservação ambiental e turismo de aventura na caatinga pernambucana

Pedra do Cachorro. Se você gosta de turismo de aventura certamente já escutou esse nome. Se nunca ouviu falar, está na hora de corrigir a falha e dar uma esticada até São Caetano, município do Agreste de Pernambuco, a 153 quilômetros do Recife. É lá que fica a Pedra do Cachorro, um monte imponente e desafiador que se eleva entre vegetação da caatinga, com 520 metros de altura e altitude de 1.146 metros acima do nível do mar.

Mais alta que o Pão de Açúcar, no Rio de Janeiro, ela é o principal atrativo da Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN) Pedra do Cachorro, unidade de conservação protegida pela Agência Estadual de Meio Ambiente desde junho de 2002. Para conhecer a reserva é preciso entrar em contato com o proprietário, Guaraci Cardoso, índio paraense que trocou o Norte brasileiro pelas terras pernambucanas em 1995.

Quando comprou a fazenda, 20 anos atrás, as plantas da caatinga tinham sido derrubadas e substituídas por roçado. “A pedra era pelada”, recorda Guaraci Cardoso. Com paciência e determinação, ele fez uma sementeira, espalhou 1.500 mudas de espécies nativas no terreno e esperou a resposta. Não só o plantio vingou como a mata se regenerou ao deixar de ser destruída, comemora Guaraci.

E é em meio a pés de umbu, angico, quipá, umburana-de-cambão, umburana-de-cheiro, macambira, coroa-de-frade, xique-xique, catingueira, araçá nativo, jurema e ubaia, entre outras espécies, que os visitantes percorrem as trilhas de acesso à Pedra do Cachorro. Flores e ninhos de pássaros, como beija-flor e ferreiro, pendurados em árvores, enfeitam o caminho.

A reserva é um lugar para a pessoa ver um animal e não matar. Ver uma planta e não arrancar. Ver um passarinho e não tentar pegar. Todos devemos cuidar desse lugar delicado e especial”, destaca Guaraci Cardoso, proprietário da RPPN Pedra do Cachorro.

São duas as vias oficiais de escalada ao topo da montanha, informa Guaraci Cardoso, militar com experiência em sobrevivência na selva e praticante de esportes radicais. “A mais antiga é a Number One e a mais nova é a Ilusão do Sertão”, diz ele. Há, também, a opção de começar a subida com uma caminhada e no último lance fazer a escalada até o cume. “Essa é a escalaminhada”, ensina.

Quem escolhe o caminho é você, mas quem define as regras a serem seguidas na fazenda é o proprietário. “A RPPN Pedra do Cachorro é uma área de interesse científico, onde são realizadas pesquisas, com vocação turística. O visitante não pode perturbar os animais nem cortar árvores, acender fogueira ou largar na reserva o lixo que produz. É preciso respeitar a natureza”, ressalta Guaraci.

A propriedade de 23 hectares, dos quais 18 hectares classificados como RPPN, serve de moradia para animais como tatu-bola, onça-parda (espécies ameaçadas de extinção), lobo-guará, raposa e mocó; insetos como as abelhas nativas (sem ferrão); e aves como, águia, galo-de-campina, concriz, acauã, salta-caminho e sabiá. “Preservação é o nosso foco e quem vem aqui deve ajudar a cuidar desse ambiente também.”

Guaraci recebe visitantes que sobem e descem a Pedra do Cachorro no mesmo dia; grupos que escalam e passam a noite no monte; e gente que apenas contempla a paisagem. Leve água e comida. O tempo da aventura depende do ritmo de cada um, porém fique certo de que serão horas e não minutos. Barraca e roupa de frio são essenciais ao pernoite.

A vegetação da caatinga, observa Guaraci Cardoso, não se apresenta da mesma forma o ano todo. “As plantas, agora, estão secas e vão secar mais ainda. Isso não quer dizer que estão mortas. Depois, elas acordam e ficam verdes. Se fossem ursos estariam hibernando”, compara. Nem todas estão dormindo este mês. O quipá (cacto da caatinga) está exibindo flores e frutos, que, aliás, são comestíveis, com sabor azedinho.

“Estamos abertos ao turismo de aventura, contemplativo e pedagógico, em harmonia com a pesquisa científica. Basta entrar em contato e passamos as informações necessárias à visita”, afirma Guaraci. O centro de convivência construído na fazenda é reservado ao alojamento de pesquisadores, nacionais e estrangeiros, que desenvolvem estudos por lá.

A RPPN integra o Monumento Natural Serra do Cachorro, o primeiro a ser criado em Pernambuco, em 2014, com área de 1.390,21 hectares, nos limites dos municípios de São Caetano, Brejo da Madre de Deus e Tacaimbó. A Pedra do Cachorro é o divisor geográfico das três cidades. “Bonito é vê-la pela manhã, coberta pela neblina, ouvindo o canto dos pássaros”, diz Guaraci Cardoso. Um convite sedutor.

Serviço

RPPN Pedra do Cachorro

BR-232

153 quilômetros até a cidade e mais 18 quilômetros até a reserva

2 horas e 40 minutos de carro

Contato: (81) 99691-1737 e (81) 99132-0519

Preço

25 reais para subir e descer no mesmo dia

50 reais para subir e descer com pernoite

150 reais se precisar de guia sem pernoite

200 reais se precisar de guia com pernoite

Compartilhe

JORNAL DO COMMERCIO

Expediente

2 de setembro de 2018

Diretoria

Laurindo Ferreira
Diretor de Redação do Jornal do Commercio
Maria Luiza Borges
Diretora de Conteúdos Digitais do SJCC
Beatriz Ivo
Diretora de Jornalismo da Rádio e TV Jornal

Edição

Diogo Menezes
Editor Executivo
Betânia Santana
Editora Assistente

Conteúdo

Cleide Alves (cleide@jc.com.br)
Concepção, reportagem e edição

JC Imagem

Arnaldo Carvalho
Editor Executivo
Heudes Regis
Editor Assistente
Diego Nigro
Fotógrafo
Danilo Souto Maior
Editor de Vídeo

Design

Bruno Falcone Stamford
Editor Executivo de Artes
Karla Tenório
Editora Assistente de Artes
Moisés Falcão
Coordenador de Design Digital
Karla Tenório
Designer
Claudio Coutinho
Animação
Guilherme Castro
Front-End
César O. Araújo
Estagiário Front-End