Primavera

Barulhinho bom de água nas cachoeiras de Primavera

O Rio Ipojuca, quando passa em Primavera, vai formando cachoeiras pelo caminho. Uma delas, no passado, era o refúgio de freiras em missões católicas no município da Zona da Mata de Pernambuco, distante 81 quilômetros do Recife. Todos os dias, religiosamente, elas descansavam por lá depois do almoço. O hábito não escapou aos olhares de moradores da cidade, que logo batizaram o abrigo das madres com o nome de Cachoeira do Convento.

Se na época das freiras a cachoeira era um espaço reservado no meio da mata atlântica, como recorda e relata Antônio Amaro da Silva, nascido e criado em Primavera, ela agora se abre para o turismo rural com seus 12 metros de queda-d’água. “O acesso é livre a todos, em qualquer hora do dia. Podem trazer rede, espreguiçadeira e aproveitar o aconchego que a natureza oferece”, sugere Antônio Amaro, o Tonho Cajá, proprietário do restaurante da Cachoeira do Convento.

O aconchego poderia ser melhor aproveitado se o Rio Ipojuca não fosse poluído. Infelizmente, a água da Cachoeira do Convento e das demais cascatas de Primavera não é aconselhável para banho, avisa a secretária de Meio Ambiente do município, Edjane Azevedo. É um problema, mas como para tudo dá-se um jeito, há bicas de água potável na Cachoeira do Urubu, sem ligação com o rio, para quem quiser molhar o corpo. As bicas são abastecidas por fontes existentes nas matas da região, diz a secretária.

E Tonho Cajá abastece os visitantes com café, almoço e jantar no restaurante, onde ele trabalha e mora. O cardápio é preparado com produtos da região. “Eu mesmo colho, atrás de casa, a macaxeira, a batata-doce e o inhame que serão servidos aos clientes, de domingo a domingo. Se a pessoa quiser saber se o clima está bom, antes de vir para cá, é só enviar mensagem pelo celular (81) 99806-4887, o sinal para telefone não é muito bom”, informa.

Sou um privilegiado por morar na Cachoeira do Convento e ver o sol nascer e morrer nesse lugar. Não tem como descrever o cenário, só vendo”, sublinha Antônio Amaro (Tonho Cajá).

“Um dos lugares bonitos que Pernambuco tem a oferecer é Primavera, falta melhorar a infraestrutura para receber o visitante”, comenta o guia de turismo nacional Gilson Abreu, morador de Ipojuca (Grande Recife), em um passeio à Cachoeira do Convento. “Fazia mais de 20 anos que não vinha aqui, é bom saber que ela preserva a beleza natural da época da minha adolescência”, declara Gilson Abreu.

Maria Aparecida da Silva, moradora de Escada, na Zona da Mata Sul do Estado, descobriu a Cachoeira do Convento este ano, quando começou a namorar com o filho de Tonho Cajá. “À noite a gente só escuta barulho de água, nem dá para perceber se está chovendo. De dia, a paisagem é muito linda, com essa mistura de pedras, água e vegetação. É uma pena não ter cachoeira em Escada”, lamenta.

Na rota das corredeiras da cidade, a Cachoeira do Convento fica logo depois da Cachoeira do Urubu, uma das mais altas de Pernambuco com 77 metros de queda-d’água. “Ela recebeu esse nome porque os urubus fazem das pedras um refúgio”, informa Tonho Cajá. “Temos ainda o Espalhado, também aberta ao público, com pequenas quedas-d’água e muitas pedras. Com certeza vocês vão gostar de ver porque é linda demais”, diz ele ao fazer o percurso acompanhando os repórteres.

A Cachoeira do Cal, numa propriedade privada, é acessível ao público. Para conhecer a corredeira basta bater palmas e pedir licença ao dono, Cláudio da Silva Martins. A casa dele, construída há 114 anos numa parte elevada do terreno, fica no caminho de acesso à cascata. “É uma herança do meu avô, nunca exploramos e qualquer pessoa pode entrar e visitar, sem pagar nada”, afirma Cláudio Martins (Cal), cultivador de chuchu e bananas.

Casas de farinha e antigos engenhos de cana-de-açúcar, como o Preferência, chalé do século 19 de uso particular, são relíquias em Primavera, município que tem nome de flor – também chamada de buganvília – e cresceu num vale, cercado por montanhas.

Serviço

Cachoeiras

BR-101 Sul e PE-63

82 quilômetros do Recife até a cidade

1 hora e 20 minutos de carro até a primeira cascata

Contato para a Cachoeira do Convento: (81) 99806-4887

Compartilhe

JORNAL DO COMMERCIO

Expediente

2 de setembro de 2018

Diretoria

Laurindo Ferreira
Diretor de Redação do Jornal do Commercio
Maria Luiza Borges
Diretora de Conteúdos Digitais do SJCC
Beatriz Ivo
Diretora de Jornalismo da Rádio e TV Jornal

Edição

Diogo Menezes
Editor Executivo
Betânia Santana
Editora Assistente

Conteúdo

Cleide Alves (cleide@jc.com.br)
Concepção, reportagem e edição

JC Imagem

Arnaldo Carvalho
Editor Executivo
Heudes Regis
Editor Assistente
Diego Nigro
Fotógrafo
Danilo Souto Maior
Editor de Vídeo

Design

Bruno Falcone Stamford
Editor Executivo de Artes
Karla Tenório
Editora Assistente de Artes
Moisés Falcão
Coordenador de Design Digital
Karla Tenório
Designer
Claudio Coutinho
Animação
Guilherme Castro
Front-End
César O. Araújo
Estagiário Front-End