Goiana

Mata atlântica, sombra e água fresca em harmonia na Reserva Aparauá

A placa na porteira é discreta. Apenas o nome do lugar e o horário de funcionamento. Localizada no km 20 da PE-49 (Estrada de Ponta de Pedras), em Goiana, município do Grande Recife, a Reserva Ecológica Aparauá é o último reduto de mata atlântica do Litoral Norte de Pernambuco. Ocupa 40 hectares, de uma propriedade maior, preserva seis nascentes de água e serve de refúgio para aves, répteis, mamíferos e primatas.

Se você estiver de passagem pela rodovia estadual não se acanhe e cruze a porteira. A Reserva Aparauá recebe visitantes nos fins de semana sem necessidade de fazer agendamento, das 9h às 17h, com trilhas para caminhada e bicicleta, banho de açude em água natural, banho de bica, caiaque, campo para futebol e vôlei, pesque-e-solte, brincadeiras infantis e redes para quem gosta de ver o tempo passar à sombra do arvoredo.

A Reserva Aparauá foi inaugurada em 2004 e nasceu do desmembramento do Engenho Massaranduba. “As terras eram do meu avô, que não plantava cana. Numa época ainda sem luz elétrica, ele fornecia lenha para a indústria. As barcas carregadas saíam de Goiana até o Cais de Santa Rita, no Centro do Recife”, diz Luciana Petribú, que administra a reserva com a mãe, Elma Petribú.

Luciana aproveitou a antiga estrada aberta para o transporte da lenha, no meio da mata, e fez dela a trilha de bicicleta. Por enquanto, o ciclista deve levar o veículo. Na trilha de caminhada, junto a uma das nascentes de água, ela pendurou uma cuia perto de uma placa para avisar ao visitante que ali ele pode refrescar o rosto e o pescoço com um banho de cangote.

Praticamos o turismo com sustentabilidade, nossos funcionários são moradores de uma comunidade vizinha e compramos produtos cultivados em Goiana para as refeições servidas aos visitantes”, declara Luciana Petribú, proprietária da Reserva Aparauá.

“Quando eu e meus irmãos éramos crianças, minha mãe andava com a gente pela mata, a cavalo, e molhava a nossa nuca com a água fresca das nascentes. Era revigorante. Ela chamava isso de banho de cangote”, explica Luciana Petribú. Peças em desuso do engenho são reaproveitadas e transformadas em brinquedos, como a serra da fita que servia para cortar madeira e agora compõe um carrinho no parque infantil. Rodas usadas para lavar ostras hoje criam balanços.

Formada por retalhos de afeto, a reserva também conserva o nome do engenho. “Aparauá, em guarani, é o mesmo que massaranduba, em tupi, uma árvore nativa do Brasil”, afirma Luciana Petribú. A área disponível para o turismo rural, de 40 hectares, é seis vezes maior que o Parque 13 de Maio, no Centro do Recife. “É um lugar tranquilo, com vários tons de verde para se apreciar”, destaca Elma Petribú.

Até 1972, o Massaranduba e seus 1.940 hectares mantinham produção de lenha, plantio de coco e indústria de farinha e de calcário. “Com a morte do meu avô, o engenho foi dividido em quatro propriedades para os herdeiros e eles passaram a cultivar cana-de-açúcar, que reinou até oito anos atrás”, relata Luciana Petribú.

São nessas terras, repletas de histórias, que os grupos vão percorrer quatro trilhas diferentes na mata, acompanhados por guias. Um deles é José Luiz da Silva, o popular Pinto, morador do distrito de São Lourenço, situado a poucos metros da reserva. Durante o caminho ele aponta bichos escondidos em galhos e invisíveis aos olhos urbanos, ensina a fazer apito com folhas de árvores e identifica as plantas.

Fazer as trilhas é opcional, porém, adentrar na mata é desvendar segredos. Ou você vai deixar para trás a experiência de se comunicar como os indígenas tamborilando no tronco de uma munguba? “Era o telefone dos índios antigamente”, brinca Luciana. Peça a José Luiz para tirar uma lasquinha do tronco do pau-sangue e descubra por que a árvore tem esse nome.

O funcionário público aposentado Deuton Fernandes esteve na reserva e gostou do que viu. “Trouxe a família, seguindo a orientação de um amigo. Um lugar agradável demais”, avalia. “Disseram que aqui as águas doces se encontram com as águas salgadas. Não é nada disso, mas é muito melhor”, diz Davyd Fernandes, analista de sistema e filho do aposentado.

“Eu me sinto em casa, moro em Abreu e Lima (município do Grande Recife) e costumava caminhar pelas matas de lá”, completa Eliete Gomes Silva de Castro, casada com Deuton. “Voltaremos outro dia”, avisa Davyd.

Serviço

 

Reserva Aparauá

PE-49 km 20

70 quilômetros do Recife

1 hora e 10 minutos de carro

Funcionamento

Segunda a sexta apenas para grupos agendados a partir de 20 pessoas
Sábados e domingos aberta ao público

Horário: 9h às 17h

Contato: (81) 99101-3510 e (81) 3224-4324

Preço

15 reais para adultos

7 reais para crianças de 6 a 12 anos

O ingresso dá direito à área de lazer e esportes, banho de água natural, banho de bica e parque infantil

Trilhas, pesque-e-solte, caiaque, alimentação e outros serviços são cobrados

Compartilhe

JORNAL DO COMMERCIO

Expediente

2 de setembro de 2018

Diretoria

Laurindo Ferreira
Diretor de Redação do Jornal do Commercio
Maria Luiza Borges
Diretora de Conteúdos Digitais do SJCC
Beatriz Ivo
Diretora de Jornalismo da Rádio e TV Jornal

Edição

Diogo Menezes
Editor Executivo
Betânia Santana
Editora Assistente

Conteúdo

Cleide Alves (cleide@jc.com.br)
Concepção, reportagem e edição

JC Imagem

Arnaldo Carvalho
Editor Executivo
Heudes Regis
Editor Assistente
Diego Nigro
Fotógrafo
Danilo Souto Maior
Editor de Vídeo

Design

Bruno Falcone Stamford
Editor Executivo de Artes
Karla Tenório
Editora Assistente de Artes
Moisés Falcão
Coordenador de Design Digital
Karla Tenório
Designer
Claudio Coutinho
Animação
Guilherme Castro
Front-End
César O. Araújo
Estagiário Front-End