De novo, o Santa Cruz derruba o Sport e leva a taça de campeão pernambucano. Já é a terceira vez. O grito de “Tri, tricolor! Tri, tri, tri, tricolor!” agora se soma ao de “Tri, tricampeão! Tri, tri, tri, tricampeão!” Precisando só de um empate, a Cobra Coral bateu o Leão por 2x0, dentro da Ilha do Retiro, gols de Flávio Caça-Rato e Sandro Manoel, e trouxe a faixa para o Arruda. Graças também ao goleiro Tiago Cardoso, com suas defesas incríveis. Assim o Recife se pinta nas três cores tricampeãs

Sete jogadores reais Tricampeões.

Para chegar ao tricampeonato, nos três anos consecutivos de 2011 a 2013, o Santa Cruz contou com 99 jogadores, muitos nem chegaram a atuar, mas faziam parte do elenco e entram na lista de campeões. Desses 99, apenas sete atuaram nos três anos contra o rival Sport. Quatro deles são oriundos das Divisões de Base. Os meias Renatinho, Natan e Jefferson Maranhão e o zagueiro/lateral Everton Sena. Os outros dois vieram de outros centros. Caso do goleiros Tiago Cardoso, um dos ídolos da torcida tricolor, e o volante Leo, enquanto o goleiro Diego Lima, pernambucano, passou por vários clubes antes de ir para o Arruda. Eles são os privilegiados, que podem bater no peito e afirmar terem participado dos três títulos.

Em toda a campanha, o que mais jogou foi o goleiro Tiago Cardoso, 28 anos. Dos 67 jogos até o tricampeonato, o “Paredão” tricolor atou em 55. O goleiro, porém, não costuma conceder muitas entrevistas. Discreto, às vezes um pouco tímido, o ídolo é econômico nas declarações e em todas sempre destaca o grupo. No jogo de ontem, ele fez defesas espetaculares, dando tranquilidade ao elenco tricolor e garantindo o título.

Todos os sete viveram momentos intensos, dificuldades e incertezas. Um bom exemplo é o zagueiro/lateral Everton Sena. Nos dois primeiros anos do tri, ele era apenas uma opção no banco de reservas do então técnico Zé Teodoro. Em 2011, foi utilizado em 12 jogos, especialmente nas finais, quando teve a missão de parar o meia Marcelinho Paraíba, que era o principal jogador do Sport. No bicampeonato de 2012, foram dez jogos. Mas na temporada de 2013, com o técnico Marcelo Martelotte, Sena ganhou a oportunidade de crescer e surpreender ao se consolidar na lateral direita, mesmo sendo improvisado. Assumiu a condição de titular na terceira rodada do segundo turno e completou 14 partidas até a final de ontem, na Ilha do Retiro.

“É um processo longo se firmar no time. Todos os jogadores que passaram foram importantes”, disse Everton Sena, 21 anos.

Um jogador, porém, caiu nas graças da torcida desde que ganhou a primeira chance de atuar em 2011. Meia de origem, Renatinho também foi improvisado e na lateral esquerda. Nos três anos atuou 42 partidas. Um tricampeonato cheio de mérito e emoção. “Viemos da base e fcamos orgulhosos. As duas conquistas de 2011 e 2012 foram emocionantes. O Santa Cruz estava muito carente. A torcida também passou a acreditar e apoiar nossa equipe, como também o grupo atual.”

Natan, por sua vez, é considerado um meia de rara habilidade. O garoto de 22 anos, no entanto, sofreu com constantes problemas musculares. Teve até momento em que pensou em parar com o futebol. Mesmo assim, esteve presente em 37 jogos. No primeiro título foram 11, no segundo 18 e este ano participou de oito partidas, pois voltou a sofrer as lesões. Mesmo assim, teve um início muito bom de temporada e atuou em 13 jogos seguidos, incluindo a Copa do Nordeste. Muito chateado por ficar de fora das finais, preferiu evitar as entrevistas e só voltará a atender os repórteres quando estiver totalmente recuperado.

O caso do volante Leo é um pouco diferente. Muito elogiado, ele chegou para o Santa Cruz e se destacou na Copa Pernambuco. O paranaense de Foz do Iguaçu, 25 anos, ainda ganhou notoriedade em 2010, sendo um dos principais responsáveis pela eliminação do Botafogo na Copa do Brasil. Campeão em 2011, terminou sendo emprestado ao clube carioca. Voltou no ano seguinte e novamente ajudou na conquista do bicampeonato. No entanto, saiu novamente e passou o restante da temporada de 2012 no Bragantino. Retornou na atual temporada. Ao todo foram 22 jogos na campanha do tri.

elenco


Goleiro




Zagueiros




Laterais




Volantes




Meias




Atacantes




Técnico




Outros campeões

  • Fred, Diego Lima e Wadson (goleiros), Vítor Carvalho, Carioca e Pablo (zagueiros da base), Maizena e Patrick (laterais), Everton Heleno (meia), Anderson Salgueiro e André Dias (atacantes).

Comissão técnica

  • William Rodrigues (assistente-técnico), Ataíde Macedo (diretor técnico), Jaílton Cintra e Joelson Correia (preparadores físicos), Clóvis Calado (fisiologista), Gilson Resende, José Carlos Jr. e Wilton Bezerra (médicos), Washington Araújo (preparador de goleiros), Alfredo Santos, Jean Toneo e Artolomeu Barros (fisioterapeutas), Jamil Gomes (assessor de imprensa) Mancha e Catatau (massagistas), Saulo Camilo e Zezinho (roupeiros), Peninha (enfermeiro).

Diretoria

  • Presidente: Antônio Luiz Neto vice-presidente: Jairo Cavalcanti Rocha; Presidente do Conselho Deliberativo: Sylvio Ferreira; Primeiro secretário: Aprígio José de Carvalho; Segundo secretário: Carlos Emanuel Simeão da Silva; Diretoria de Futebol: Constantino Júnior e Jomar Rocha.