A crise e o fator humano

Para além de números, gráficos, taxas e índices econômicos, há pessoas. Mais de 206 milhões de brasileiros ávidos por um País melhor, um País que consiga sair de uma recessão severa que já dura mais de dois anos. Em maior ou menor escala de renda, são seres humanos que sofrem com uma crise considerada por muitos a pior da história do Brasil. Desemprego, medo de perder o emprego, preços altos, renda em queda, reajuste disso, reajuste daquilo, salário achatado, obrigações inesperadas, impostos absurdos, juros altos, cobranças no trabalho, metas para cumprir, falta de perspectiva... Não está fácil viver no maior País da América Latina, um gigante golpeado por corrupção, demagogia e erros na condução da política-econômica. Durante dois meses, as repórteres Bianca Bion e Luiza Freitas se debruçaram sobre dados que mostram como a conjuntura econômica atual vem afetando a saúde das pessoas. Entrevistando médicos, psicólogos, economistas e, principalmente, conversando com as vítimas desse cenário tão perverso, as jornalistas encontraram brasileiros sofrendo com hipertensão, depressão, vários tipos de dores, crises de ansiedade e outras doenças. O resultado do trabalho de Bianca e Luiza, exposto nesta reportagem especial, é uma demonstração inequívoca que nossa turbulência econômica e social vem prejudicando fortemente o principal ativo de qualquer país, seu capital humano. Além de mostrar dramas familiares e casos de autoestima no chão, a reportagem também aponta saídas, exemplos de pessoas e países que, tão afundados como o Brasil e sua população atualmente, souberam emergir do fundo do poço. Torçamos, pois, para que nosso País e nosso povo tenham força para superar, o quanto antes, as doenças que os acometem.