Inovação na cabeça


Por Cláudia Santos

Embalagem da linha SOU usa 70% menos plástico [foto: Divulgação]


Mesmo sendo vencedora do Recall Verde em três edições do prêmio, a Natura entende que para manter essa posição privilegiada na lembrança do consumidor é preciso inovar. E dessa vez a novidade veio com a nova linha de produtos SOU, que apresenta ineditismos já na embalagem. Para produzi-la, segundo a empresa de cosméticos, utiliza-se 70% menos plástico e propicia 60% menos emissões de CO2 que a média das embalagens convencionais, além de gerar três vezes menos resíduo.

O segredo de toda essa economia, explica a gerente de marketing, Fabiana Pellicciari, está na linha de montagem da fábrica da Natura. No modelo de fabricação tradicional, a embalagem é composta de várias partes – frasco, válvula, tampa, rótulo. “No caso do SOU, a embalagem adquire seu formato final no mesmo local e ao mesmo tempo em que o produto é envasado. Ela chega à fábrica na forma de rolo de filme plástico; em seguida, entra em uma única máquina que sela o filme, corta no formato, recebe o produto e coloca a tampa”, detalha a executiva.

A inovação traz economia para o transporte do produto. “Para cada mil embalagens vazias de SOU, seria possível transportar apenas 28 das tradicionais do mercado. Menos transporte significa menos gasto de combustível e poluição”, compara Fabiana. O bolso do consumidor também sai lucrando: como a embalagem é muito flexível permite usar o produto até a última gota.

Investimentos como esse, realizados na produção sustentável, têm garantido à empresa não apenas um alto índice de recall, mas também um market share de 22,72%, o que não é nada desprezível no disputado mercado de cosmético brasileiro. “Os consumidores estão cada dia mais informados e preocupados com o legado que deixaremos para as próximas gerações e essa consciência está influenciando as escolhas por marcas e produtos. Nesse contexto, a Natura se destaca e é lembrada por seus clientes”, analisa Daniel Silveira, diretor da Natura Norte e Nordeste.

Além de investimentos em mídia e patrocínios culturais, a empresa também promove pesquisas e abre diálogo com seus públicos (consultores, colaboradores, acionistas, consumidores, etc). “Ouvimos seus anseios e percepções sobre a marca. A partir dessa escuta e troca de informações realimentamos nossa estratégia e atuação”, relata Silveira.

E, como inovar é uma necessidade, investimentos contínuos também são feitos na tecnologia de produção. Recentemente a empresa lançou o projeto Desafio Natura Campus de Embalagens Flexíveis, em que convida uma rede de pesquisadores a colaborar com propostas para a reciclagem das embalagens de SOU.